Reforma da Previdência deve decidir quem fica fora da reforma (foto: internet)
Reforma da Previdência deve decidir quem fica fora da reforma (foto: internet)

Conforme o relator foi repassado, os líderes que vão decidir quais são os Estados e quais foram os municípios que vão ficar de fora da reforma. Samuel Moreira, o deputado é quem vai definir o assunto que para ele é um assunto muito polêmico e grave, que acontece na próxima semana.

Nesse sábado já foi afirmado que ainda não foi estabelecido os estados e municípios cujo servidores serão excluídos já das regras que estão previstas para a proposta da reforma da previdência.

Confira Também: Reservas de viagem para o Brasil aumentaram em 250% após isenção de visto

Reforma da Previdência deve decidir quem fica fora da reforma (foto: internet)
Reforma da Previdência deve decidir quem fica fora da reforma (foto: internet)

Estados e municípios não foram definidos

A definição agora deve sair a partir de reuniões com os líderes dos partidos na outra semana onde vai ser decidido se os servidores dos estados e municípios não irão participar da regra que será colocada para a previdência.

Conforme Samuel Moreira, ele cogitou tirar os estados e os municípios dentro das mudanças que vão passar pela aposentadora conforme passou pela equipe econômica. Sem ter nenhum tipo de definição, ele ainda disse que é um assunto muito grave e polêmico.

Em relação aos estados e aos municípios, o déficit na previdência acaba trazendo um valor de R$ 96 bilhões por ano. Caso consiga projetar pensando em 10 anos fica em quase R$ 1,2 trilhão, que é quase a meta que o governo federal vai querer aplicar para a sua reforma.

Por isso, para Samuel é necessário ainda quer debater com bastante cuidado. Deixando claro que é importante que nesse momento deve ser resolvido os problemas que os estados e os municípios também estão passando.

Já para os parlamentares, o argumento seria de que eles não vão querer assumir o ônus de acabar aprovando um projeto que não é popular e acabar perdendo a sua base de votos. Isso deixaria a situação bastante confortável para os governadores e prefeitos. Por isso, é necessário que esse assunto se resolva ainda no momento de preparação.

Essa reforma ainda já passou por 277 emendas, ainda com 49 que foram desconsideradas por não ter o número suficiente de assinaturas. Muitas acabam suprimindo as mudanças que foram sugeridas pelo governo.

Fonte: OGlobo